SE INSCREVA Na nossa newsletter

All rights reserved to Larissa Vaiano Moleti | Website developed by Larissa Vaiano

O PODER DA GRAVATA - LARISSA VAIANO MOLETI - CPF: 368.382.628-27 - Sâo Paulo - SP - CEP: 03357-050 - Brasil

AQUELES QUE SAEM DO CORAÇÃO

19 Mar 2018

Talvez você tenha percebido que eu dei uma boa sumida. Ou talvez não. Mas, ainda assim, vou te contar um segredo: escrever é, para mim, uma forma de revelar a alma. E, não vou mentir, a minha andava machucada.

Engraçado como contar isso aqui parece uma daquelas confissões misteriosas de filme antigo - quase como se eu estivesse contando para um padre, em uma capela escura e sombria: padre, eu pequei. 

Por que?

De onde foi que tiramos essa ideia de que precisamos estar felizes o tempo todo? A vida segue fora e dentro da gente e, muitas vezes, a gente deixa ela passar. A gente engole seco, dá uma risada, finge que vê graça onde não vê. E tenta nem pensar, tenta nem chorar, tenta, tenta, tenta, tenta ser o que não é.

Para quem?

Venho (re) percebendo que esse não é o caminho. Aqui dentro, também tem um lado florido que aparece quando olho as minhas cicatrizes com carinho. Quando consigo baixar a guarda e aceitar tudo o que é.

TUDO o que é.

Ontem à noite, um grupo de meninos acordou todo mundo aqu...

12 Mar 2018

Vem cá, vou te contar uma coisa:

Eu quero viajar o mundo.

Só que, dessa vez, quero te levar na mala.

Quero levar essa sua mania de assobiar bonito – e levo junto a minha impaciência por não conseguir assobiar com você.

Se você deixar, posso levar também essa sua barba mal feita. Essa mesmo, que uma vez já disse que não deveria combinar tanto assim com o seu rosto. Olha pra você...

É claro que eu estava errada.

Sabe, eu posso até considerar a ideia de ir sozinha.

Mas, e aí? Quem vai me acordar com pulo na cama, beijo que pinica, cheiro de café?

Quero mesmo é te levar junto, que é pra te ouvir me dizer que hoje eu acordei linda.

Mesmo com a cara amassada.

Pensa só: se eu te levar na mala, não vou precisar nem de travesseiro.

Desconfio até que não vou precisar de mais nada.

Seremos eu, você e o mundo.

Ah...se eu te levar na mala...

Esse mundo vai ficar grande <3

*Foto by Harsh Jadav on Unsplash

7 Mar 2018

Nunca vou me esquecer daquela janela.

Ela não tinha a vista mais bonita e nem era das mais silenciosas. Do outro lado, dava pra ver uma construção que tinha previsão de terminar dois anos atrás.

O que eu podia esperar?

Ah! Tinha sol. Um bocado dele. E se tem uma coisa que me faz feliz é abrir a cortina de manhã e deixar essa estrelinha esquentar a casa.

Mas era só uma janela, né?

Photo by Kevin Fernandez on Unsplash

Até que, uma noite, ela estava diferente. Eu tenho certeza que ela me chamou. E pensei muito em ir.

Eu disse pra ela: "isso é uma loucura”. E ela me respondia: “mas faz tanto sentido, não faz?”.

Por mais que as palavras soassem insanas, eu me sentia cada vez mais abraçada e compreendida por ela. Parecia que ela entendia tudo que estava no meu coração há todo esse tempo.

Ah! Essa janela.

Ela sabia o que eu queria, mas não tinha a menor ideia do que eu precisava. Eu briguei com ela, pedi pra ela parar. Ela foi teimosa, insistiu, me tentou, falou tudo que ela sabia que eu quer...

5 Mar 2018

Eu nunca tinha entendido muito bem esse tal negócio de a gente ser o espelho do outro.

Até que você apareceu.

E, vez ou outra, você me incomodou.


Seu jeito sutil de chamar a atenção pelos pequenos grandes acontecimentos da sua vida.

Sua tendência de buscar conversas que não te fazem bem só pra tentar provar o seu ponto: o de que você não deve valer tanto assim.

Sua beleza, que tá todinha aí, mas que você faz questão de esquecer. 

Photo by Daniel Garcia on Unsplash


Você percebe?


Você tem uma mania de se comparar com o resto do mundo. E por mais que você fale que só você pode-consegue-realiza, no fundo você sabe que só diz tudo isso por um motivo: pra tentar se convencer de que pode mesmo.


Entendeu?


Eu já saquei você todinho, só você nao percebeu.


Ah! Tem também aquele seu jeito de falar quando não deve só pra tentar me ver sorrir. 


Ou sua mania de querer estar sempre certo.


Tá assustado?

Não fica.


É que nós somos bem parecidos, mesmo que uma parte nossa insista que não temos nada a...

26 Feb 2018

Ando muito sentimental ultimamente.

Muitas coisas acontecendo na minha vida pessoal - que não vem ao caso agora, quem sabe mais pra frente - e tenho sentido muitas emoções malucas.

Esse ano me determinei a tirar um bocado de projetos do papel. A me jogar de cabeça nessa minha vida nova de “O Poder da Gravata” e a começar a colher os frutos que eu venho plantando há 2 anos por aqui.

E quando a gente se alinha com algo que a gente quer muito, o Universo - ou o que você quiser chamar - vai lá e se alinha juntinho com você.

No meio desse turbilhão de coisas que estão acontecendo e me mudando profundamente, um sentimento que tem sido constante, independente de tudo ficar mais fácil ou mais desafiador, é um dos que eu menos esperava sentir: o da gratidão.

Entender que toda e qualquer situação que a gente vive vai te engrandecer, mesmo que hoje esteja doendo muito e que agora pareça não fazer muito sentido, faz com que a gente encare essas fases de uma...

23 Feb 2018

Eu sempre fui uma adolescente que ligava pouco ou quase nada pra minha imagem. Vejo a minha irmã mais nova escolher cuidadosamente a roupa que vai usar, a maquiagem e todos os detalhes do look para sair com as amigas e simplesmente não consigo lembrar de uma vez que eu tenha feito isso.

O resultado disso foi uma adolescência cheia de pernas por depilar, sobrancelhas tão mal tiradas que têm falhas até hoje e cabelos indomáveis. Some a esse cenário o fato de que eu nunca fui das meninas mais bonitas e populares do colégio e a receita para anos de invisibilidade está pronta. Os poucos namorinhos ou casinhos que tive eram amigos que em algum momento resolveram olhar mais para o que eu era do que para o que eu parecia.

A verdade mesmo é que eu não estava nem aí pra isso tudo. Via as maquiagens caras da minha mãe e as várias embalagens de creme no banheiro como quem olha para coisas muito distantes da sua realidade. Minhas escolhas do que usar ou como agir eram muito pautadas no que dizia na C...

21 Feb 2018

É bom que vocês já saibam desde o início: eu sou uma pessoa de frases. Sou simplesmente apaixonada pela ideia de que as palavras, quando bem ordenadas, podem gerar reflexões capazes de mudar completamente a vida de uma pessoa. E tem uma frase de que eu gosto muito, que a internet atribui a Einstein mas que eu realmente não sei se é dele, que é a seguinte: “insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”.


Embora eu acredite que as coisas acontecem quando elas tem de acontecer, a verdade é que eu já perdi um bom tempo da vida esperando que tudo o que eu mais desejava simplesmente caísse do céu bem na minha frente, sem que eu tivesse de fazer o mínimo esforço. Vejam vocês, eu sempre sonhei em ter um blog, um espaço para compartilhar as minhas ideias e ajudar os outros através da escrita; eu sempre imaginei que um dia eu faria isso, e que seria muito bacana. Mas eu não fazia nada pra que isso acontecesse. Eu nem mesmo escrevia!


Sim, é isso mesmo que voc...

19 Feb 2018

Foi assim:


Na casa dos vinte-quase-trinta, a chegada de uma escola de gastronomia perto da rua da minha casa me fez olhar para mim. Eu, que sempre fui de pensar demais e fazer de menos, me vi obrigada a agir - porque, dessa vez, não tinha mais desculpa. Depois de um dia corrido no trabalho, escolhi sexta-feira para conhecer a cozinha da escola, sabendo que já sairia de lá matriculada. 


Não teve jeito: foi assim. 


Engraçado é que, desde muito cedo, eu sabia que escolher uma profissão seria uma tarefa muito difícil para mim. Sempre gostei de estudar e tinha minhas preferências, Alexandre O Grande que o diga. Apesar disso, a ideia de escolher algo para fazer pelo resto da minha vida sempre me pareceu limitadora. Foi por conta disso que, com dezoito anos, tive que escolher um caminho e deixar todos os outros de lado: o da arqueóloga que desbravava a terra, o da fisioterapeuta, o da jornalista, o da esteticista, o da escritora, o da barista que tinha um café. 


Se existem universos paralelos...

22 Dec 2017

Vai chegando perto de dezembro e eu só consigo pensar em vocês.

Em todos aqueles dia 24 pro 25 que passamos ansiando pela chegada do bom velhinho. Era tudo tão mágico que parece que não foi nessa vida que aconteceu.

Lembro como se fosse há 15 minutos atrás da gente subindo naqueles montes de pedra e areia com metade da nossa casa contruída ao fundo. Mal sabíamos que aquele lugar se transformaria num porto-seguro, ou o que ele mais tem sido hoje dia: nosso ponto de encontro.

Ninguém mais anda naquela pista de bicicleta e o parquinho, coitado, tem só uns vestígios pra contar história.

E ah se as paredes das nossas casas falassem. 

Foram tantas batalhas pra sobreviver daquela água de fogo nos nossos barcos de almofada. Tanto cotovelo ralado. As brigas então! Eu mesma era a líder dos complôs contra aqueles que não seguiam as regras das brincadeiras, e por longos 15, quando muito 20 minutos, conseguia convencer um ou dois pra se juntar ao meu time e virar as costas pros espertinhos.

Cada dia era...

15 May 2017

Já parou pra pensar como suas amizades começaram?

Algumas vai ser difícil de lembrar porque antes mesmo de você se dar conta que era gente aquela pessoa já tava lá, né? Eu sei. Tenho amigos assim.

Mas e o resto?

Muitas pessoas entram nas nossas vidas pelas casualidades: escola, faculdade, trabalho, aula de dança, curso de in

glês. Mas você lembra como é que foi que elas realmente ficaram?

Há um tempo atrás tive uma conversa com uma amiga e estávamos comentando da dificuldade de fazer verdadeiros amigos depois de “velho”. Parece que quando a gente é criança e adolescente tudo é mais fácil, tudo flui. E chegamos a conclusão que na nossa idade e, principalmente, na nossa situação (morando fora), precisamos fazer um esforço pra que colegas se transformem em verdadeiros amigos.

E eu acredito que vai um pouquinho além. 

Acredito que com a idade a gente cria uma casquinha. A casquinha da desconfiança, do auto julgamento, da vergonha própria, da dificuldade de dividir. E uma amizade verdadeira só vem...

Please reload